terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Imagem: Autor desconhecido

Não caibo em qualquer lugar.
Não acredito naquilo que a mídia diariamente tenta me empurrar goela abaixo, 
e que a massa adere.
Não gosto das "mais pedidas" e nem de best sellers.
Prefiro a solidão à multidão.
Amo no silêncio e permaneço calada até que me sufoque.
Retirada em meu interior, remexo velhas lembranças 
e me arrependo do mal que fiz a mim.
E sigo em retirada, quando o cotidiano tenta me convencer 
de que não vale a pena a labuta do dia que morre a cada dia, 
quando chega o anoitecer.

Lílian Terra

-

Um comentário:

  1. Linda palavras Lilian! Posso fazer um humilde dueto com você? A labuta, na maioria das vezes necessária como ganha-pão, seria prazerosa se não fosse obrigatória ou única opção, traria mais felicidade se além de necessária fosse divertida. Nossas noites de sono seriam mais tranquilas se prenunciassem atividades lépidas para o dia seguinte. A constante busca do viver bem, tem como combustível a esperança do porvir consciente e a alegria de se contentar com as pequenas vitórias do presente.

    ResponderExcluir

Páginas